Tipos de cachos: tudo o que você precisa saber para cuidar dos seus!

mulher ruiva sorrindo

Dizem por aí que ter cachos é uma característica surpreendente: você nunca sabe como vai encontrá-los! A verdade é que o cabelo cacheado não segue um padrão, e é justamente nesse ponto que mora toda sua beleza e personalidade. Existem vários tipos de cachos e, muitas vezes, uma mesma pessoa pode perceber que tem texturas e formatos diferentes dependendo da região da cabeça (nuca, lateral…).

Saber mais sobre as curvas que dominam sua cabeça é fundamental para definir os tratamentos que vão realmente deixá-las saudáveis e bonitas. Enquanto algumas se beneficiam com produtos ricos em óleos, outras podem pesar e perder seu balanço. Logo, entender suas características e necessidades vai fazer toda a diferença na hora de tratá-las.

Quer descobrir os segredos que se escondem entre os caracóis dos seus cabelos? Conheça tudo sobre os diferentes tipos de cachos e o jeito ideal de cuidar de cada um deles agora mesmo com este post! Vamos lá?

Por que deixar o meu cabelo com cachos?

No ano de 2017, pela primeira vez no Brasil, as buscas no Google por cabelos cacheados superaram as por madeixas lisas. Termos como transição capilar e cuidados com os cachos ganharam popularidade nos últimos anos e os cabelos lisos perderam o reinado.

Aos poucos, celebridades, como a supermodelo Gisele Bündchen, entraram em cena e começaram a conquistar todos com suas ondas charmosas. Possivelmente, isso foi o começo de um processo que permanece até hoje: alisamentos perderam espaço e os fios anelados encontraram a liberdade.

É verdade que muitas pessoas ainda preferem ter madeixas alisadas — e não há nada de errado com isso. No entanto, é inegável que os cachos voltaram com força total, e diversas brasileiras fizeram finalmente as pazes e abraçaram suas principais características: volume, ondulação e uma doce rebeldia.

Se você está pensando em encarar essa mudança e assumir sua textura encaracolada, mas tem receios, reflita: cachos naturais conferem mais personalidade e sensualidade ao visual. Além disso, você deve ter mais autonomia para expressar sua identidade e questionar a imposição social de que o liso é o mais bonito.

Inspire-se nas famosas que já se empoderaram: as lindas atrizes Patrícia Pillar e Leandra Leal, bem como as cantoras Rihanna e Beyoncé são exemplos de mulheres que estão mais felizes e bonitas agora ostentando com orgulho suas cobiçadas cabeleiras!

Crespos, cacheados ou ondulados?

 

Como falamos, cada cacho é de um formato e cada cabelo tem um jeito. Mesmo que todas as pessoas em uma família sejam cacheadas, suas madeixas não necessariamente apresentarão texturas iguais. O ideal é observar seu cabelo com atenção para entender todas as suas peculiaridades e, assim, descobrir do que ele gosta mais e necessita.

Como é, afinal, a composição de um cachinho?

Os fios anelados são, estruturalmente, iguais aos lisos, ou seja: eles têm uma parte externa — a cutícula —, que serve como camada protetora da fibra capilar.

O que muda tudo é seu formato: por conta das curvas, as películas não conseguem se ajustar direito e ficam mais abertas, o que deixa o cabelo mais frágil.

Ao mesmo tempo, a natureza espiralada do fio compromete a distribuição da oleosidade produzida pelo couro cabeludo por toda a extensão, o que contribui para uma aparência ressecada. Já nos cabelos lisos, a substância tem mais facilidade de fluir da raiz até as pontas.

Quais são os diferentes tipos de cachos?

Caracóis mais abertos, outros mais fechados: para facilitar a vida das pessoas com cabelos anelados, profissionais da beleza resolveram estudar as diferentes texturas desses fios e determinar 3 grupos de acordo com os tipos de cachos: ondulados, cacheados e crespos.

Isso ajuda todos a entender melhor seus cabelos, lidar com suas particularidades e personalizar os tratamentos.

Como saber qual meu tipo de cacho?

 

Para saber como acertar no tipo de tratamento para seu cabelo, observe seu fio com atenção e veja em quais dessas 3 categorias e seus subtipos ele se encaixa melhor:

 

 

Tipo 2 — Ondulados

Essas madeixas apresentam a raiz mais lisa e, ao longo do comprimento — especialmente a partir da ponta da orelha —, ganham um formato sinuoso como a letra “S”. Assim, esse cabelo fica no “meio termo” e nem chega a formar um cacho. Além disso, em geral, não é volumoso. Todavia, nem todo ondulado é igual. Conheça os 3 subtipos desse estilo!

2A

É o mais próximo do liso e apresenta leves ondulações — um exemplo é o cabelo de Gisele Bündchen.

2B

Apresenta ondas mais próximas da raiz, mas, ainda assim, tem pouco volume. Apresenta certa tendência a ter frizz e pontas ressecadas — as mechas naturais da atriz Kate Hudson têm essa textura.

2C

As madeixas começam a se caracterizar como realmente cacheadas, pois as ondas são mais definidas — mas ainda mantêm o formato em “S” — e o volume é mais expressivo, como os da cantora Shakira. Nesse caso, o frizz já é mais presente.

Tipo 3 — Cacheados

Agora sim estamos falando de cachos angelicais, como aqueles apresentados pelos clássicos querubins. Eles são bem definidos, anelados e com tendência maior ao ressecamento do que o tipo anterior. Confira as divisões!

3A

São cachos maiores e mais abertos, como os da cantora Taylor Swift. Por conta do formato, têm fator de encolhimento mediano. Além disso, como apresentam menos definição, suas donas costumam ver diferença no volume conforme as mudanças climáticas.

3B

São de tamanho médio, mais fechados, volumosos e definidos, como uma mola. Aqui, a oleosidade natural começa a ter bem mais dificuldade de percorrer a fibra, portanto, observa-se propensão ao ressecamento e frizz. Os exemplos são as cabeleiras das atrizes Ana Paula Arósio, Débora Nascimento e Halle Berry.

3C

Ondulações bem apertadas e que armam com mais facilidade, como as de Taís Araújo e da blogueira Rayza Nicácio. De todos, é o que apresenta o maior fator de encolhimento, se aproximando da textura crespa.

Tipo 4 — Crespos

Formam espirais muito menores, por isso, muitas vezes é difícil perceber o formato do cacho, como na divisão anterior. São naturalmente mais ásperos e armados, no entanto, precisam de muito cuidado, uma vez que são os modelos mais finos e sensíveis entre todos.

São formados por poucas cutículas, o que passa a aparência de opacidade. Por conta dessa ausência, não conseguem absorver muita água e ficam mais ressecados e com tendência à quebra. Veja suas subcategorias!

4A

Parecidos com os 3C, porém os cachos são mais fechados e volumosos, iguais aos da atriz Sheron Menezes.

4B

Ainda mais apertados, esse tipo perde um pouco o formato espiral. Ao esticar o fio, pode-se ver uma estrutura que lembra a letra “Z”. O fator de encolhimento faz muita diferença: quando seco, ele fica expressivamente menor do que quando esticado. Solange Knowles, irmã de Beyoncé, é um exemplo desse estilo.

4C

Por fim, essa textura de cachos minúsculos é a mais densa de todas e com um grande fator encolhimento — cerca de 75% do tamanho real do fio se comprime. Volumosos, tendem a crescer para cima e dificilmente ganham comprimento. Por isso, suas donas geralmente adotam penteados estruturados, tranças rente à raiz ou um visual black power, como faz a atriz Lupita Nyong’o.

Cabelo com mais de uma textura: isso é possível?

Não só é possível, como é um acontecimento muito comum: a maior parte das onduladas, cacheadas e crespas acaba identificando em sua cabeleira mais de um dos tipos de cachos que mencionamos acima.

Os relatos mais comuns falam sobre mechas na região da nuca e no meio da cabeça que têm ondulações mais abertas e se definem com dificuldade, enquanto as da parte frontal — ou acima da testa — tendem a ser mais ressecadas e com caracóis mais fechados.

Além desses exemplos, existem outras inúmeras combinações de texturas, e os motivos também são variados. Dentre os principais, destacamos:

  • idade: geralmente, crianças nascem com os fios mais finos que, com o passar do tempo, vão adquirindo outra textura;
  • deficiências e distúrbios hormonais;
  • uso de certos medicamentos;
  • má alimentação: uma dieta sem nutrientes necessários para a beleza dos cabelos;
  • excesso de procedimentos químicos.

Como cuidar do meu cabelo cacheado?

 

Como a maioria das texturas aneladas é o resultado de uma mistura de tipos de cachos, a ideia é não entrar em pânico ou tentar uniformizá-las: você pode apostar em uma combinação de tratamentos e técnicas que vão dar um resultado incrível para cada uma de suas mechas.

Basicamente, o que uma madeixa encaracolada precisa é de hidratação — para repor a carência do óleo natural — e definição. Processos para ativar os cachos e ondulações são essenciais para ter um cabelo lindo como a natureza o fez, e não armado e sem forma.

Por isso mesmo, ondulados, cacheados e crespos precisam ser finalizados com leave-in, não tem jeito. Esse produto é fundamental para segurar as ondas, redobrar a hidratação e deixá-los maleáveis e brilhantes. Inspire-se com as dicas a seguir!

Cacho tipo 2

Uma grande parte das pessoas que nasceram com um cabelo tipo 2 achavam que tinham um liso “estranho”. Por isso, muitas partiram para as químicas alisantes em busca, justamente, de uma solução para a inconstância dos seus fios e um formato mais definido.

Na verdade, o que o ondulado precisa é ser estimulado com métodos e produtos especiais para que ele ganhe suas ondas marcantes. Além disso, o tipo 2 precisa lidar com duas questões: raiz com tendência à oleosidade — já que é mais lisa — e pontas ressecadas. Saiba o que fazer com estas sugestões abaixo:

  • como toda dona de um tipo de cacho, você precisa de um finalizador sem enxágue; todavia, prefira os mais leves — quase aguados —, pois eles não vão pesar no seu cabelo;
  • aplique pouca quantidade de leave-in por mecha;
  • para garantir ondas perfeitas, use, além do leave-in, gel ou gelatinas ativadoras que mantêm a estrutura das ondas;
  • aposte no cronograma capilar, mas espace os tratamentos; se seu cabelo estiver saudável, faça hidratações semanais e nutrições e reconstruções uma vez por mês — pois elas pesam mais;
  • use sérum na finalização ou nos fios secos para tratar as pontas secas;
  • para ter mais volume e valorizar suas ondas, aposte em um bom corte em camadas.

Cacho tipo 3

Caracóis bem definidos, volumosos, densos e charmosos caracterizam esse tipo de madeixa. No entanto, a propensão ao ressecamento costuma tirar o sono dessas cacheadas. Se não for finalizado corretamente, o cabelo pode ficar com um visual espigado. Confiram essas ideias:

  • esse tipo precisa de mais hidratação e nutrição, portanto, o cronograma capilar clássico — que pressupõe o uso de uma máscarade diferentes funções a cada lavagem — será seu aliado;
  • faça testes para encontrar seu leave-in ideal; os superdensos e oleosos costumam pesar e atrapalhar a definição do cacho tipo 3, já os leves podem deixá-los sem forma; invista em um produto meio termo, com uma concentração balanceada de óleos, manteigas vegetais e ativos hidratantes;
  • utilize também um gel ou uma gelatina para favorecer a ativação;
  • atenção ao corte — para não acabar com o conhecido “efeito triângulo”, procure um profissional de confiança e que entenda de cachos para conquistar um estilo com volume equilibrado e que incentive a formação dos caracóis.

Cacho tipo 4

Os crespos têm alta tendência ao ressecamento, portanto, precisam de hidratações e nutrições frequentes.

Umectações são indispensáveis: esse processo consiste no uso de manteigas ou óleos vegetais puros. Os produtos devem ser distribuídos com abundância em pequenas mechas e, depois de aplicado, é preciso fazer uma pausa longa antes de enxaguar.

Muitas pessoas, inclusive, adoram a umectação noturna, ou seja, colocam o produto escolhido no cabelo, vão dormir e, 8 horas depois (pelo menos), lavam-no pela manhã para retirar os resíduos. A ideia desse método é permitir que a mecha tenha, de fato, bastante tempo para absorver os nutrientes.

Além disso, os fluidos vegetais conseguem penetrar mais profundamente no fio, tratando toda a fibra e os folículos, garantindo o nascimento de novos pelos mais saudáveis. O resultado pós-enxágue é um crespo mais macio e brilhoso. Para isso, são recomendados compostos naturais como:

  • óleo de coco extravirgem — um dos mais queridos;
  • azeite de oliva extravirgem;
  • óleo de abacate, semente de uva ou jojoba;
  • manteigas de karité, abacate ou murumuru.

Vale lembrar que esses produtos precisam ser 100% vegetais e puros. No mais, a técnica de umectação é muito bem-vinda para todos os tipos de cachos. Sendo assim, cacheadas e onduladas podem — e devem! — investir no processo com uma frequência moderada. Outras dicas importantes para o tipo 4 são:

  • prefira leave-ins densos, compostos por manteigas e ativos ultranutritivos que vão compensar a carência de oleosidade;
  • para facilitar a aplicação e permitir que o creme de pentear deslize com facilidade nos fios, borrife água em cada mecha e passe o produto em seguida, espalhando bem;
  • assim como as cacheadas, o cronograma capilar é extremamente benéfico para os cabelos crespos tipo 4, portanto, abuse das hidratações e, sobretudo, das máscaras nutritivas, que são mais umectantes;
  • considere seguir uma rotina low ou no poo, uma vez que o shampoocom sulfato pode agravar a situação de ressecamento.

Qual é a melhor finalização para o meu tipo de cacho?

Finalizar o cabelo é uma arte que toda pessoa que tem cachos precisa dominar — e encontrar um método para chamar de seu, já que existem milhares. O objetivo de cada processo de finalização é texturizar os fios, e deixá-los mais definidos ou volumosos — a gosto do freguês!

A qualidade da técnica escolhida vai determinar, inclusive, a quantidade de day after que a pessoa vai ter. Esse termo tão conhecido entre as donas de cachos é caracterizado pelos números de dias que o aspecto encaracolado vai se manter bonito até a próxima lavagem.

Conheças as principais técnicas e entenda como elas funcionam para saber qual é a melhor para você!

1. Fitagem

Fitagem é uma das mais conhecidas e usadas formas de texturizar todos os tipos de cachos. Ela é tão famosa que já tem subdivisões.

Basicamente, a fitagem simples (ou clássica) acontece da seguinte forma:

  • divida o cabelo limpo e úmido em mechas;
  • começando pelas camadas de baixo, use uma quantidade razoável de creme de pentear (ou uma mistura do seu leave-in com gel) por segmento;
  • espalhe o produto em cada parte, penteando o cabelo com os dedos e criando “fitas” — daí o nome do método;
  • assim que “pentear com os dedos”, amasse a mecha em seguida de baixo para cima, para estimular a formação dos cachos;
  • repita o processo para cada divisão e deixe as madeixas secarem naturalmente.

A fitagem estruturada é uma prima-irmã da versão original e indicada para cacheadas tipo 3 ou tipo 2C para garantir caracóis bem precisos. A diferença é que, depois de pentear as mechas com os dedos, você deve dividir cada uma em segmentos menores e enluvar cacho por cacho, especialmente com a técnica do dedoliss.

Dedoliss é uma maneira de usar o dedo mesmo para enrolar os cabelos, fazendo movimentos que estimulam a criação de curvas — o nome é uma alusão ao aparelho babyliss. Feito o dedoliss em cada minimecha, o resultado é uma superdefinição e cachos de anjo, que vão, inclusive, durar mais tempo.

Já a fitagem desconstruída foi pensada para as crespas que querem conquistar um volume poderoso. O método propõe que o produto seja distribuído em fitas mais displicentes e, assim que secar, elas são soltas na raiz com a ajuda de um pente garfo.

A ideia é o contrário da definição: soltar mais as madeixas para que fiquem mais leves e corpulentas.

2. Método LOC e Creogel

LOC é uma sigla que indica as três etapas do método, que é líquido, óleo e creme de pentear. Enquanto isso, o Creogel sugere a seguinte ordem: creme, óleo e gel. A ideia dos dois é intensificar a definição, a hidratação e controlar o volume. Por isso, é muito usado pelos tipos 3 e 4. O procedimento é o seguinte:

  • com o cabelo limpo — ou em um day after — borrife o líquido escolhido (água, leites hidratantes etc) e aguarde uns minutos;
  • aplique o óleo nas pontas e nas partes ressecadas (evite a raiz) e deixe agir;
  • passe o creme — nessa hora, você pode usar outro método para finalizar, como a fitagem.

3. Rolos e bigudinhos

Pessoas que têm tipo 2 costumam penar para conseguir texturizar. Por isso, usar o combo do creme de pentear com o gel e prender mechas com acessórios como os rolinhos ou bigudinhos é uma aposta certa para deixar as madeixas com um formato sinuoso incrível. Faça o teste!

4. Plopping

Outra técnica mais prática do que a anterior e recomendada para tipos de cachos 2 e 3A que querem definição é o plopping. Veja como fazer:

  • lave o cabelo e faça a fitagem (simples ou estruturada);
  • em vez de deixar secar naturalmente, use uma camiseta de algodão velha (esse detalhe é importante) para amassar os fios e retirar o excesso de umidade;
  • abra esse tecido em superfície, abaixe a cabeça em direção à camiseta e acomode todo o seu cabelo amassadinho sobre o pano;
  • vá enrolando e fechando a peça ao redor da sua cabeça até ter um “pacote” bem firme;
  • deixe as madeixas secarem assim (dentro da dobradura) entre 30 minutos e 1 hora;
  • solte as madeixas e perceba como elas estarão com ondas mais marcadas.

Quais procedimentos posso fazer no cabelo cacheado?

Assim como qualquer tipo de cabelo, você pode estilizar seus fios anelados, abusar de penteados e, até mesmo, colorir ou descolorir cachos — desde que invista em cuidados básicos para protegê-los e manter sua saúde.

  • nunca deixe de fazer o teste da mecha;
  • se seu fio está com problemas de ressecamento ou porosidade, resolva-os antes de alterar a cor — aposte em um cronograma capilar intenso e garanta que eles estejam minimamente saudáveis para suportar um procedimento químico;
  • procure por tonalizantes menos agressivos (sem amônia na composição);
  • cachos iluminados ficam inacreditavelmente lindos, logo, se você quer ficar loiraou descolorir, procure por um profissional que vai conseguir manusear os seus fios corretamente, assegurar o tom desejado e evitar o ultrarressecamento.

Esse é um excelente momento para cuidar e exibir com orgulho todos os tipos de cachos. Depois de anos escondidos embaixo de químicas alisantes, a indústria está cheia de novidades e produtos pensados especialmente para eles e os profissionais mais preparados para ajudar e tirar dúvidas.

Você pode ter fios mais saudáveis, bonitos e uma rotina prática, sem depender de processos químicos. Assim, empodere-se e invista no amor-próprio: seu cabelo é maravilhoso e merece estar sempre lindo, leve e solto!

Gostou das nossas dicas para cuidar dos diferentes tipos de cachos? Que tal espalhá-las por aí? Compartilhe este post nas suas redes sociais e divida esses conhecimentos com seus amigos!

Compartilhe nas suas redes sociais